quinta-feira, 27 de outubro de 2016


Rede de Mulheres realiza encontro em São Paulo




Entre os dias 26 a 28 de outubro, acontece em São Paulo/SP, o Encontro da Rede de Mulheres da Internacional da Educação para América Latina (IEAL), que reúne trabalhadoras da Educação das regiões Cone Sul e Andina. A CNTE – Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação é parceira da IEAL para a realização das atividades da Rede e conta com uma delegação de 66 representantes de 18 sindicatos afiliados presentes no evento que irá debater a participação política das mulheres a partir da atuação sindical no continente.
Durante a solenidade de abertura, compuseram a mesa Marta Vanelli, Secretária Geral da CNTE, Fátima Silva, secretária de Relações Internacionais da CNTE e vice-presidenta da IEAL, Silvia Almeida representando o PROIFES, Combertty Rodriguez, coordenador geral do escritório regional da IEAL, Gabriela Sancho e Gabriel Castro que integram a equipe de coordenação da entidade. Durante sua saudação a professora Marta falou da importância do encontro para que a rede reflita sobre a conjuntura atual de retirada de direitos, retrocessos sociais e avanço das investidas neoliberais na região e se reorganize para seguir desempenhando seu papel de fortalecimento dos sindicatos na perspectiva de gênero. Marta parafraseou o presidente Mujica e incentivou as presentes a seguirem firmes “a única luta que se perde é a que se abandona”, concluiu.
A professora Fátima Silva lembrou os grandes desafios que estão postos no mundo para as mulheres. Desafios que passam por garantir direitos políticos e de representatividade, mas também por lutar pela conquista de direitos humanos básicos como o direito à vida e à liberdade, o direito ao trabalho e à educação, entre outros. Ela compartilhou a experiência que teve na Argentina durante o Encontro Nacional de Mulheres, que reuniu mais de 70 mil manifestantes marchando por direitos para toda a classe trabalhadora. “Temos observado uma onda crescente de violência contra a mulher, com casos de feminicídio que nos atingem e chocam a sociedade. Mas, por outro lado, tem sido gratificante acompanhar a reação das mulheres de todas as matizes políticas e sociais, quem têm ido às ruas denunciar esses abusos e exigir respeito e igualdade. É por isso que hoje estamos aqui”, disse Fátima.
A programação do dia foi dedicada a análise de conjuntura de toda América Latina para embasar os debates que se seguirão durante o Encontro. Cada país representado (Argentina, Brasil, Bolívia, Chile, Colômbia, Paraguai, Peru e Uruguai) trouxe um panorama de sua realidade quanto aos avanços na implementação de políticas públicas para as mulheres e pela igualdade de gênero. A conjuntura nacional brasileira foi apresentada pela presidente do Sind-UTE/MG, Beatriz Cerqueira, e a conjuntura internacional por Mônica Valente, Secretária de Relações Internacionais do Partido dos Trabalhadores.
Em sua exposição, Beatriz trouxe aspectos da construção e condução do golpe de estado que aconteceu no Brasil, e alertou a todas que o golpe segue seu curso e que é nas ruas que a luta vai continuar, mesmo que isso exija ainda mais ativismo e mobilização das trabalhadoras. Entre os aspectos trazidos na exposição de Mônica Valente, ela ressaltou “o avanço dos ataques neoliberais se apresenta mais ousado e perverso com a classe trabalhadora, mas também irá impactar um grande contingente de pessoas que não são trabalhadores formais”.
As seguintes entidades filiadas da CNTE estão participando: SINTEGO/GO, AFUSE/SP, APP/PR, SINPRO/DF, CPERS/RS, SINTESE/SE, SINDIPEMA/SE, SINTERO/RO, SINPROESEMMA/MA, SAE/DF, SINTE-SC, APLB/BA, Sind-UTE/MG, FETEMS/MS, SINTEPE/PE, SINTER/RR, APEOESP/SP, SINDIUPES/ES. 
CNTE

Nenhum comentário:

Postar um comentário