sexta-feira, 6 de junho de 2014

Coletivo de Mulheres da CNTE pautam campanhas e ações

A secretária de organização sindical e coordenadora do Coletivo de Mulheres do Sindicato dos Profissionais de Educação de Mato Grosso (Sintep/MT), Marli Keller, participou da reunião do Coletivo de mulheres da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) que aconteceu nesta terça-feira (27.05), em Brasília, na sede da CNTE.

A reunião teve como pauta: os informes dos estados PNE e o debate de gênero na educação mais mulheres na política. A secretária de relações de Gênero Isis, coordenou a reunião. A diretora da CNTE, Fátima, fez informes da Secretaria de Relações Internacionais.

No ponto informes cada representante de Estado fez o relato sobre as ações desenvolvidas pelas suas entidades para o reconhecimento e valorização das mulheres, como realização de seminários, produção de materiais, atos públicos e outros.

Um ponto bastante recorrente foi à denúncia do alto índice de violência contra a mulher em suas diversas manifestações. Essa denúncia foi relacionada com a "onda conservadora" que ameaça as conquistas já obtidas pela sociedade. Expressa no PNE em que o fundamentalismo religioso não permitiu que fosse aprovado um artigo "se dedicava prioritariamente às discriminações raciais, de gênero e de orientação sexual."  (Artigo do Daniel Cara, publicado em 13 de maio de 2014, em seu blog).

Campanha “mais mulheres na política”
A campanha "mais mulheres na política" foi inserida no contexto da Reforma política. "fomos mobilizadas a nos engajar na campanha do plebiscito popular por uma constituinte soberana. Dois aspectos principais foram considerados importantes: o financiamento público de campanhas e a possibilidade do voto em lista, caso consigamos a Reforma Política".

A Diretora do Sintep/MT ressaltou a importância da organização do Plebiscito Popular por uma Constituinte Exclusiva e Soberana do Sistema Político, do qual o sindicato faz parte da secretaria operativa de Mato Grosso. “É preciso se engajar nesta luta, pois só através da reforma do sistema político é que iremos conseguir uma ampla a participação da mulher, principalmente da classe trabalhadora e ocupar os espaço de poder em nosso pais”, afirma a coordenadora do Coletivo de Mulheres ressaltando que as mulheres ocupam apenas 9% das cadeiras do Congresso Nacional, sendo que as mulheres são mais da metade da população brasileira.  Baixe a Cartilha e saiba como participar do Plebiscito Popular. Acesse o site do Plebiscito 

Conselhos municipais
Outro encaminhamento importante feito pelo Coletivo de Mulheres da CNTE foi para reafirmar a importância dos sindicatos em participar dos Conselhos de Direitos da Mulher, nos Estados e reforçarem a criação dos Conselhos Municipais.

Ligo 180
Massificar a campanha do "LIGO 180" nos veículos de comunicação dos sindicatos de forma a difundir na base.  O aplicativo para celular Clique 180, para denúncia de violência contra a mulher permite acesso direto à Central de Atendimento à Mulher 180, que recebe denúncias, fornece orientações e oferece conteúdos como a Lei Maria da Penha e mapeamento de locais de risco nas cidades. O Clique 180 está disponível para os sistemas IOS e Android. Pode ser baixado na Apple Store ou na Google Play. Basta digitar Clique 180 e seguir os passos de instalação.

Pesquisa da IE

 A diretora da CNTE, Fátima Silva, titular e falou da avaliação das Metas do Milênio, estabelecidas em Dakar, com prazo em 2015, destacou a pesquisa encaminha pela Internacional da Educação (IE). Ela reforça que a pesquisa deve ser massificada para ser respondida pelos educadores e educadoras. As perguntas são sobre as condições de ensino e aprendizagem, como parte da avaliação das metas de Educação para Todos.  A pesquisa está disponível até o final de julho em vários idiomas, inclusive português, no endereço www.ei-ie-al.org. Os participantes que responderem a pesquisa concorrem a uma viagem para os EUA. Participe!

Nenhum comentário:

Postar um comentário