quinta-feira, 26 de abril de 2012

Ministra reafirma compromisso com a convenção 189

A Ministra Eleonora Menicucci é a favor de maiores mudanças com relação à questão / Antônio Cruz/ABr
Ministra Eleonora Menicucci/ Antônio Cruz/ABr
TRABALHO DECENTE

A Secretaria de Políticas para as Mulheres reafirma seu compromisso com as  lutas das trabalhadoras domésticas pelo reconhecimento de sua atividade como profissão e para que esta tenha a mesma dignidade, respeito, garantia e ampliação de direitos  de todas  as demais ocupações. 


Esta, que  é uma das profissões que mais empregam mulheres no país,  é também uma das mais desvalorizadas e precarizadas. 


A face do emprego doméstico brasileiro é majoritariamente feminina, negra e com ensino fundamental não-concluído.  Um claro reflexo da herança colonial.

Hoje, muitas vezes, empregar-se nas casas não é visto como profissão valorizada, ainda que seja o único jeito de ganhar algum dinheiro. Isso tem exigido muita luta das trabalhadoras domésticas para tornar visível uma situação que vive completamente submersa no dia-a-dia. 


Em 2009, segundo o IBGE, as trabalhadoras e trabalhadores domésticos empregados eram 7,2 milhões, sendo 6,7 milhões de mulheres, e desse total, quase 2/3, de negras. Seu ganho médio era de apenas 83% do salário mínimo. Somente 26,3% destas trabalhadoras, ou 1,7 milhão, têm carteira assinada. O crescimento feminino em todos os segmentos de trabalho não eliminou o fato de que o trabalho doméstico ainda mantém-se entre as principais ocupações das mulheres, no Brasil e no mundo. 


Por tudo isso, a SPM empenha-se na assinatura da convenção internacional -Convenção sobre o Trabalho Decente para Trabalhadoras e Trabalhadores Domésticos da Organização Internacional do Trabalho (Convenção 189/2011).  A conquista dessa convenção contou com grande protagonismo das trabalhadoras domésticas brasileiras, na 100ª Conferência Internacional do Trabalho, em 2011.  


A Convenção 189 e a Recomendação 201 lhes estabelecem os mesmos direitos básicos de outros trabalhadores, incluindo liberdade sindical e negociação coletiva. Assim, transformar a situação atual das trabalhadoras domésticas em todo o mundo significa ultrapassar incontáveis preconceitos históricos, e que vivem se reconstruindo de outras formas nas sociedades modernas. 


Eleonora Menicucci
Ministra-Chefe da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República 


FONTE -  Assessoria de Comunicação SPM 

Nenhum comentário:

Postar um comentário